Opinião: O Rebu é uma demonstração de que a TV se preocupa menos com audiência e preza pela qualidade


O Rebu, a nova novela das 23h da Rede Globo estreou nesta segunda-feira (14/07). Com tantas informações que circularam sobre a produção, esperava-se que algo muito bom estava por vir. As expectativas eram grandes, como já havíamos comentado anteriormente, diante de um elenco de primeira linha e a aposta em uma narrativa diferente do habitual.
Passado os dois primeiros capítulos, foi possível ver o quanto a novela é sofisticada, uma superprodução com ares de produto internacional, tamanha qualidade. Ficou perceptível também algumas observações quanto ao público que estava ligado nesses capítulos que foram ao ar. 
Acompanhando o Banco de Séries – uma das maiores redes sociais de gerenciamento para fãs de séries e tv – e os comentários durante a exibição no Twitter, vejo que tem agradado muito e sido bem aceita pelo público mais exigente, acostumado com produções mais caras, a nível da tv americana, ao passo que o público noveleiro, que anda a ver sempre a mesmice dos roteiros pobres e falhos das novelas nacionais costumeiras, tem visto O Rebu com olhos de reprovação.
A questão é que, depois de Amores Roubados, Meu Pedacinho de Chão e agora com O Rebu, é admirável que a Globo esteja se preocupando menos com a audiência.
Sim, ela ainda continua preocupada em não perder seu público, mas ficou claro que aqueles que pararam no tempo estão cada vez mais deixando de dar tanta importância para a tv (além de não consumir outras mídias) enquanto o público que há um tempo atrás era jovem e cresceu junto com o avanço da tecnologia e da acessibilidade está cada vez mais exigente e procurando por produtos de qualidade, e quando não encontram na tv, buscam na internet (vide o sucesso do Netflix, além dos downloads, sejam eles legais ou ilegais). 
Dessa forma, é bom ver esse esforço dos responsáveis pelas emissoras de televisão em forçar as pessoas menos exigentes a passarem por uma mudança no conceito de “ver tv” e fazê-las se acostumar com qualidade. Assim,  público sai ganhando e a tv também (como exibidor e como empresa).

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui