Crítica: O Candidato Honesto

Com história fraca e clichês típicos das comédias brasileiras modernas, O Candidato Honesto satiriza a política nacional e arranca boas risadas.


O Candidato Honesto chega aos cinemas brasileiros apenas três dias antes das eleições. Discutir esse evento e os vários problemas políticos do país de forma cômica pode ser até bem receptivo, mas só quando se tem uma boa história para contar. 
A comédia, que é divulgada como uma crítica a política brasileira, nada mais é que uma sátira de tudo o que acontece a longo prazo no comando do país, não muito diferente do que já havíamos visto em outras produções como o televisivo e extinto “Casseta & Planeta” e nos vídeos do “Porta dos Fundos”. Além disso, deixa-se de lado o humor refinado e apela-se muitas vezes para a baixaria, com palavras sujas e atos obscenos, expressões que tem tomado conta do cinema de comédia brasileiro.
O Candidato Honesto conta a história de José Ernesto Praxedes (Leandro Hassum), um ex-líder sindical que torna-se um político corrupto e candidata-se a presidência da República. Por causa de um desejo de sua vó antes de morrer, ele acaba não conseguindo mais mentir, pondo em risco sua até então bem sucedida candidatura.
Em O Candidato Honesto é nítida a inspiração em “O Mentiroso”, filme estrelado por Jim Carrey, para construir a narrativa. As caras e bocas, bem como os trejeitos de Hassum remetem facilmente ao ator canadense.  Leandro Hassum se destaca mesmo ao lado de nomes que renderam momentos engraçados ao filme, como a presença do candidato e sua mulher (Flávia Garrafa) numa sátira do programa Mais Você, nos momentos com o seu assessor (Victor Leal) e ao lado da repórter interpretada por Luiza Valdetaro, cuja personagem começa sem muito destaque e se desenvolve bem ao longo da trama.
Com pouca história pra contar, O Candidato Honesto se restringe a fazer uma sátira da política nacional, buscando situações e nomes conhecidos dos brasileiros. Faz-se menção a “CPI da Mesadinha” (remetendo ao “Mensalão”), à bancada evangélica e cita-se até políticos influentes como José Sarney. 
Embora tenha uma história fraca e cheia de clichês, O Candidato Honesto ganha pontos ao trazer uma mensagem sobre voto consciente (talvez esse fosse o objetivo do filme, que não fica claro em maior parte dele), e ao fazer jus ao gênero comédia, quando cumpre a missão de entreter e arranca várias risadas do público.

Por: Paulo Cavalcante

O Candidato Honesto (Brasil, 2014)

Avaliação do editor:
(3/5)
Sinopse: João Ernesto Praxedes (Leandro Hassum) é um político corrupto, candidato à presidência da República. Ele está no segundo turno das eleições, à frente nas pesquisas, quando recebe uma mandinga da avó, fazendo com que ele não possa mais mentir. Agora, o seu maior problema será vencer as eleições falando somente a verdade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui