Crítica: Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1

Mais uma adaptação brilhante da franquia que surpreende o telespectador em doses gradativas e crescentes de emoção.

A Esperança veio para transformar Katniss (Jennifer Lawrence) na arma principal do distrito 13 na luta contra a capital, logo ela transforma-se no tordo da revolta. Ela que sempre quis apenas proteger seus familiares e amigos mais íntimos percebe o quanto a população dos distritos ver nela a esperança de mudar a realidade massacrante imposta pela capital.
Os jogos vorazes sempre foi uma clara analogia a toda violência da realidade que costuma sustentar a riqueza de muitos e a capacidade das pessoas de assistir a tudo devido a um estado de alienação. Snow (Donald Sutherland), presidente e grande maestro de todo esse terror, se apossou da única arma capaz de conter Katniss, Peeta (Josh Hutcherson).
O filme apresenta elementos totalmente novos: personagens e cenários. A inserção desses elementos representa a grande virada da história de Suzanne Collins e tudo isso foi reproduzido no filme, possivelmente mais um ano de jogos vorazes não era o desejo dos distritos em sua maioria, afinal não podemos esquecer os carreiristas, muito menos dos leitores e telespectadores da franquia.  O distrito 13 substitui os cenários já conhecidos dos fãs, o distrito 12 e a arena dos jogos. O filme é um mundo visual completamente novo que com mérito enche os olhos com fotografias perfeitas.
Rapidamente nos adaptamos ao distrito 13, a única que não consegue esse feito é Effie Trinket (Elizabeth Banks), ela junto com Haymitch (Woody Harrelson) são os responsáveis pelos momentos cômicos do filme. Mesmo o distrito 13 lutando contra a capital vemos como a sua presidente, Coin (Julianne Moore), e Plutarch (Seymour Hoffman) são capazes de vender sua força tão bem quanto o seu inimigo. Não é a toa que eles disponibilizam para Katniss uma equipe de soldados que mais parecem uma equipe de comunicação, pois eles passam o tempo todo com a câmera apontada pra ela. Logo, o tordo saiu da matança dos jogos vorazes para uma nova espécie de jogo feito com batalhas de certa forma midiática contra a capital. Ambos disputam quem mais consegue produzir, transmitir e conquistar a atenção da população através de vídeos.
Por fim a grande vantagem da capital não é o poder de fogo, pois o distrito 13 tem total capacidade de contra-atracar. O coringa da capital é o próprio Snow, pois ele está nessa guerra, antes não tão declarada, há mais tempo e sua experiência faz a sensação de vitória do inimigo ser algo efêmero. 
P.S. Fiquem até o final dos créditos.

Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1 (The Hunger Games: Mockingjay – Part 1, 2014, EUA)

Avaliação do editor:
(5/5)

Sinopse: Após ser resgatada do Massacre Quaternário pela resistência ao governo tirânico do presidente Snow (Donald Sutherland), Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence) está abalada. Temerosa e sem confiança, ela agora vive no Distrito 13 ao lado da mãe (Paula Malcomson) e da irmã, Prim (Willow Shields). A presidente Alma Coin (Julianne Moore) e Plutarch Heavensbee (Philip Seymour Hoffman) querem que Katniss assuma o papel do tordo, o símbolo que a resistência precisa para mobilizar a população. Após uma certa relutância, Katniss aceita a proposta desde que a resistência se comprometa a resgatar Peeta Mellark (Josh Hutcherson) e os demais Vitoriosos, mantidos prisioneiros pela Capital.


DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui