- Publicidade -

Crítica: Jurassic World – O Mundo dos Dinossauros

Sem título

- PUBLICIDADE -

A ciência avança e com ela as novas possibilidades de produzir erros e acertos. Em meio a esses avanços vão surgindo continuações de clássicos do cinema. Com estreia prevista para essa quinta (11/06), Jurassic World traz de volta aos telões do cinema os dinossauros do Jurassic Park, com direção de Colin Trevorrow e produção executiva de Steven Spielberg.

Após a tragédia do passado, o parque dos dinossauros está novamente de portas abertas. Com atrações holográficas e reais, os dinossauros agora estão “domesticados” e atraem uma grande platéia para o empreendimento, mas é claro que manter uma mesma atração ao longo dos anos tornaria o parque pouco visitado.

- Advertisement -

Para aumentar o público e, consequentemente, os lucros, a equipe de cientistas do Jurassic segue a risca as instruções de Claire (Bryce Dallas Howard), trazer novas atrações para o parque anualmente. Para isso a equipe do parque dá inicio a uma série de experiências genéticas que dão vida a novas espécies de dinossauros e assim o que poderia ser um acerto da ciência se tornará em breve um erro.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

No meio de toda essa trama, Owen (Chris Pratt) que trabalha no Jurassic como treinador de alguns dinossauros é convocado por Claire para tentar “adestrar” a futura atração do parque que anda dando trabalho para ser controlada, todo esse problema é resultado de um dinossauro que foi geneticamente criado com as características mais mortíferas de outras espécies, além de uma alta capacidade de raciocínio.

O filme é impecável em relação a parte gráfica dos dinossauros e sua fotografia. Nos planos abertos podemos ver as áreas verdes do parque e os dinossauros passeando, essas são as cenas que nos convencem a visitar o parque, isso – é claro – até o caos se instalar. A nova fera criada pelos cientistas consegue se libertar antes de ser adestrada e daí em diante a ação do filme corre solta assim como a fera.

Os dois sobrinhos de Claire são os primeiros visitantes do parque a correr risco de vida ao encontrarem com essa fera, levando Claire e Owen a se aliarem mesmo com uma certa tensão – e/ou tesão – devido a um encontro que os dois tiveram no passado. Claire que ainda não havia dado nenhuma atenção aos meninos desde a chegada deles, se vê desesperada quando não consegue entrar em contato com ambos. Na trama os meninos funcionam como uma redenção de Claire à família, uma vez que obcecada pelo seu trabalho no parque ela parece ter esquecido a importância da convivência familiar (essa é uma pitada de drama em meio ao ingrediente principal: a ação).

Sim!…eu poderia claramente dá um 5 para Jurassic World, mas não farei isso, pois algo que parecia banal no início o filme passa a atrapalhar em alguns momentos o “orgasmo” que as cenas de ação seriam capazes de nos provocar, tudo isso por causa de piadas em cenas que surgem no meio do desespero do ataque dos dinossauros. Lowery (Jake Johnson) e Simon (Irrfan Khan) são os principais responsáveis pelos sorrisos amarelos dos telespectadores, no início do filme é totalmente fácil de digerir as cenas, mas depois que começa ação, ambos se tornam responsáveis por nos fazer “brochar”. Acredito que essa possa ser uma tática para não afastar o público infantil, amenizando o medo que as crianças podem ter em meio a agitação das cenas de ação, mas ainda assim incomodou!

Por: Lais Rilda

Jurassic World – O Mundo dos Dinossauros (Jurassic World, EUA, 2015)

Avaliação do editor:

3emeio
(3,5/5)

Sinopse: O Jurassic Park está aberto ao público. Com isso, as pessoas podem conferir shows acrobáticos com dinossauros e até mesmo fazer passeios bem perto deles, já que agora estão domesticados. Entretanto, a equipe chefiada por Claire (Bryce Dallas Howard) passa a fazer experiências genéticas com estes seres, de forma a criar novas espécies. Uma delas logo adquire inteligência bem mais alta, logo se tornando uma grande ameaça para os visitantes do parque.

- PUBLICIDADE -
Lais Rilda
Lais Rilda
Estudante de Rádio, TV e Internet e consequentemente apaixonada por audiovisual, passo a maior parte do tempo relacionando o que aprendo em sala de aula com o que vejo na vida real e na ficção.
Leia mais em:

Conteúdo relacionado:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here