Crítica: A Bruxa

Leia também:

‘Projeto Gemini’ e ‘Morto Não Fala’ são as estreias da semana nos cinemas

As estreias desta semana nos cinemas trazem filmes para todos os gostos. "Projeto Gemini", o ousado filme do cineasta...

Cinema da UFPE é a nova opção para os cinéfilos pernambucanos

O Cinema da UFPE, nova sala de exibição no Recife, será inaugurado nesta quarta-feira (09). O evento acontece às...

Sem apoio de editais, Janela de Cinema recorre ao público para acontecer

Um dos maiores festivais de cinema de Pernambuco, o Janela Internacional de Cinema do Recife recorre neste ano ao...

Elenco em A Bruxa (Distribuição/Universal)

 

O festival Sundance sempre foi e vem se mostrando cada vez mais uma vitrine de filmes de qualidade.  A Bruxa foi aclamado pela crítica e levou o prêmio no festival de Melhor Diretor em 2015. O filme já pode ser considerado um clássico moderno e contém vários elementos de um terror Noir, algo que não é tão comum nos filmes de terror atuais, pois em sua maioria se tende a produzir algo mais comercial. A Bruxa mostra competência técnica e uma incrível junção de elementos que levam ao mais puro terror, sempre buscando trabalhar com o artifício que mais provoca o medo: a imaginação.

- Publicidade -

O filme conta a história de uma família de religiosos puritanos que se mudam da vila onde moravam por terem sido acusados de cometer pecados irredimíveis. Em sua nova casa, essa família vê sua fé abalada quando o pequeno Samuel some misteriosamente e leva ao desencadeamento de estranhos acontecimentos.  Brigas de casal, uma filha indesejada, a situação de pauperismo e uma ovelha negra (o animal de fato) fazem tudo ficar dramaticamente mais complexo e prolixo. De fato, prolixidade é algo muito recorrente no filme, levando uma grande parcela do público achar o longa enfadonho.  Entretanto, o ritmo do filme é propositalmente suavizado com a finalidade de trabalhar exaustivamente cada ambiente e item mostrado.

Robert Eggers é responsável pela direção e roteiro do filme e deve levar grande parte do crédito pelo belo trabalho final. Não é possível destacar algum aspecto do filme sem associá-lo intrinsicamente a outro. A estética do filme é exaltada pela edição e o corte preciso em cada cena, que por sua vez faz jus à trilha sonora, onde também faz aumentar a intensidade das atuações, onde por fim, tudo foi interligado pelo eficiente Robert Eggers. É mais fácil compreender tamanha competência do Eggers em fazer um filme ímpar em qualidade técnica, ao saber que o mesmo é formado em direção de Arte, levando-nos a concluir que fazer um filme de arte não seria uma tarefa tão difícil para ele, pelo menos ele não mostrou ser.

É muito curioso que após o declínio de Hugh Jackman para o papel principal (por motivos de incompatibilidade na agenda), o diretor optou por escolher um elenco completamente desconhecido, se tornando mais uma escolha acertada para filme. Um elenco pouco conhecido eleva ainda mais o caráter cult e noir, ainda mais quando todo o elenco (desde núcleo adulto até o núcleo infantil) mostram química e profissionalismo para conduzir um drama tão peculiar como o apresentando.

The Which: A New England Folktale” (algo como “A Bruxa: um conto de New England) dá uma boa dica do que podemos esperar do filme e ele cumpre o que prometeu: um filme que é nada mais que um conto popular. Fazer de um conto popular um memorável filme de terror é o que torna A Bruxa tão bem recebido pela crítica. Cenário e figurino de época, utilização de expressões que retomam o ‘antigo’ inglês, associado a um roteiro que retrata uma família simples no qual tem a religião como força motora são todas as características de um clássico conto inglês. Depois de um terror bizarro e incomum, ao fim do filme, nos fazemos a seguinte pergunta: não quem, mas o que é A Bruxa?

Por: Wilson Netto

- Publicidade -
- Relacionados -

2 COMENTÁRIOS

    • Pode-se observar uma atmosfera muito parecida com os livros do Edgar Allan Poe. Então seria um bom lugar para começar

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Publicidade -

Últimos destaques:

A Grande Mentira | Crítica

Assistir Ian McKellen e Helen Mirren por uma hora e cinquenta minutos é sempre um prazer, mesmo quando o veículo não é lá...

Azougue Nazaré | Crítica

Uma terra com uma vasta variedade de culturas que culminam em diferentes religiões, o Brasil vem perdendo suas raízes com a ascensão do poderio...

As Panteras | Crítica

Hollywood fez mais uma vítima na sua não tão nova moda de reciclar franquias - a saudosa série As Panteras ("Charlie's Angels") ganhou uma...

Ford vs Ferrari | Crítica

A principal lição que se pode tirar do novo filme de James Mangold, é que não há nada que não fique 100% melhor com a...

Dora e a Cidade Perdida | Crítica

  A adaptação do desenho interativo Dora, a Aventureira, exibido no começo dos anos 2000 pelo canal Nickelodeon poderia ter seguido um caminho bem diferente e...
- Filmes recomendados -




More Articles Like This

- Publicidade -