Os 5 filmes mais esperados do Festival de Cinema de Locarno 2017

Lista de filmes em cartaz no Festival de Locarno conta com novos filmes estrelados por Noomi Rapace, Isabelle Huppert e pela brasileira Marjorie Estiano.

Noomi Rapace, Marjorie Estiano e Isabelle Hupert atuam em filmes exibidos no Festival de Locarno 2017 (Foto: Reprodução)
Noomi Rapace, Marjorie Estiano e Isabelle Hupert atuam em filmes exibidos no Festival de Locarno 2017 (Foto: Reprodução)

O começo de agosto marca a despedida do verão europeu, mês que também traz consigo a realização do Festival de Locarno (Locarno Film Festival). Neste ano é possível conferir um preview do que está por vir nos próximos meses até o final de 2017 pelos cinemas.

O festival de cinema Suíço, que este ano acontece de 2 a 12 de agosto, é um dos principais eventos do cinema europeu e oferece uma gama de produções que merecem ser vistas brevemente nas telonas. Preparamos uma seleção com os filmes mais promissores da programação do Festival de Cinema de Locarno 2017 e que provavelmente você estará ouvindo falar deles nos próximos meses.

Confira:

 

Onde Está Segunda?

O diretor norueguês Tommy Wirkola, que ficou conhecido por “Zumbis na Neve” (2009) e “João e Maria: Caçadores de Bruxas” (2013) retorna com Onde Está Segunda?, que mostra um lado mais sério do cineasta, cujo filme foi produzido e estreia pela Netflix.

Situado em um futuro distópico em que a população é regulada por um governo tirânico, a atriz Noomi Rapace interpreta nada menos que sete papéis como um conjunto de irmãos que se escondem em um apartamento e fingem ser a mesma pessoa para evitar a detenção. Muito provavelmente o mau dominará o sistema e as várias versões de Rapace terão de enfrentar uma saga de sobrevivência. Esta, talvez, será uma das atuações mais ambiciosas da carreira da atriz num filme que deve elevar o conceito da imprevisibilidade da ficção científica.

Madame Hyde

É difícil discordar que Isabelle Huppert é uma das maiores atrizes do cinema europeu. Vencedora do Globo de Ouro de melhor atriz no ano passado (e chegou perto do Oscar na mesma categoria), Huppert tem um faro bastante aguçado não só para personagens marcantes, mas também para bons diretores. Ela já fez parceria com Michael Haneke e foi consagrada por sua atuação em “Elle” de Paul Verhoeven e agora trabalhará ao lado do crítico e cineasta francês Serge Bozon numa cômica versão feminista de “Dr. Jekyll & Mr. Hyde”.

No longa, Isabelle Hupert interpreta uma professora que é intimidada pelos seus alunos e pelos colegas de profissão numa escola do subúrbio. Um dia, ela é subitamente atingida por um raio e começa a desenvolver novos e misteriosos poderes – que fazem com que ela sinta uma estranha vontade de fazer vingança.

Isabelle Huppert em "Madame Hyde" (Foto: Reprodução)
Isabelle Huppert em “Madame Hyde” (Foto: Reprodução)

Good Luck

O documentário do cineasta Ben Russel é um misto de uma visão real de personagens marginalizados de duas comunidades de mineração da Sérvia e da selva sulamericana do Suriname com imagens surreais, cheias de poesia e sob uma visão imersiva e épica gravadas em películas de 16 milímetros. O longa traz um retrato das vítimas do capitalismo abandonadas pela política e pela segregação de movimentos culturais. Diante de uma temática tão profunda, Russel terá um público bastante limitado para o seu filme, mas com certeza agradará aqueles que gostam de trabalhos intimistas e visões cinematográficas experimentais.

Cena de Good Luck, de Ben Russel (Foto: Reprodução)
Cena de Good Luck, de Ben Russel (Foto: Reprodução)

A Skin So Soft

A imprevisibilidade do cienasta canadense Denis Côté é dominante na sua cinematografia. Vencedor do Leopardo de Ouro em Locarno por sua trama sobre uma estranha relação entre pai e filha em “Caracol” (2010), Côté retorna “A Skin so Soft”, uma mistura de documentário e ficção que retrata os momentos mais melancólicos da trajetória dos bodybuilders.

O filme gira em torno de seis competidores de construção de corpo, os chamados “bodybuilders”, que tomam destinos trágicos quando se convencem da culpa por ultrapassar suas limitações físicas.

 

As Boas Maneiras

Os cineastas brasileiros Marco Dutra e Juliana Rojas levam para Locarno a co-produção Brasil e França intitulada “As Boas Maneiras”. O thriller de gravidez acompanha Clara (Isabél Zuaa), uma enfermeira contratada para cuidar de Ana (Marjorie Estiano), que está esperando uma criança bastante peculiar. O trailer mostra que Ana tem hábitos estranhos, vagando pela noite aterrorizada por algum tipo de entidade sobrenatural que coloca Clara na sua mira.

O longa foi considerado pelo IndieWire como “um drama visualmente envolvente” e que “mostra uma lutas de classes ambientada no pano de fundo da hierarquia social fragmentada de São Paulo”. Pode não ser um “O Bebê de Rosemary”, mas promete mexer psicologicamente e causar uma tensão nos espectadores pouco características dos filmes brasileiros, que não costumam apostar neste gênero.

O filme será distribuído no Brasil pela Imovision e ainda não tem data de estreia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui