Papo Seriado – S.02 Ep. 04 – Quando a saudade toma seu lugar

Alguns momentos da vida são difíceis de nos acostumarmos, mas eles insistem em estar ali. Se a saudade vai sempre existir por que não ver de outra forma?

Saudade

A única coisa que a gente consegue ter certeza na vida é que, um dia, fatalmente, todos nós iremos partir para outro plano (ou o que quer que vocês acreditem). Mesmo assim, poucos são aqueles que conseguem se acostumar com as perdas que, naturalmente, fazem parte da nossa vida. Principalmente quando são pessoas que amamos ou admiramos. Ainda que a dor dilacerante vá dando lugar a uma saudade menos dolorosa, nunca é fácil.

Se pararmos pra analisar direitinho, a Disney, desde sempre, teve o costume de nos mostrar a realidade que nos traz o “Ciclo da Vida”, tais como a morte do pai de Cinderella, de Branca de Neve, Simba que fica órfão logo cedo, Tarzan que perde os pais e é adotado por Kala… Ao que me parece foi exatamente isso que a Disney tentou nos ensinar desde cedo. Mas o mais importante, ainda está por vir…

Despedidas são momentos tão musicais que é de assustar como parece que tudo se encaixa, mas confesso que aquela que mais me chamou atenção esses dias foi “tem gente que chega para ficar, tem gente que vai para nunca mais”, é sobre chegadas e partidas mas encaixa perfeitamente, não? Porque a vida é isso, um ciclo eterno de chegadas e partidas.

Reprodução: Disney

E aqui, eu queria lembrar a lição mais importante que a Disney nos ensinou: “não há razões para chorar, pois, no meu coração você vai sempre estar, o meu amor contigo vai seguir”… Afinal, quando alguém nos deixa a pessoa permanece sempre viva em tudo o que ela fez e em todos que ela conquistou – e de todas as formas que ela nos tocou. Não é necessário que se ganhe um nobel ou um oscar, mas que se roube risos e corações, que se ensine sobre o amor mais puro, se ampare e seja por tantas vezes o apoio que precisamos.

Já que essa é a única certeza que temos, por que não nos empenharmos para deixarmos muito mais coisas boas? Por que não seguirmos os exemplos daqueles que tanto amamos e já nos deixaram marcados pelas suas presenças? E mais ainda: por que não perpetuarmos as suas histórias, os seus exemplos e todo o amor que nos ensinaram? Essa é a melhor maneira de os fazermos sempre presentes e, ainda, a forma mais especial de transformar a dor em saudade.

Que sempre consigamos perpetuar o amor!

Xoxo.

Ps.: A coluna de hoje é, inteiramente, dedicada a Titia Cema, com todo meu amor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here