X Janela Internacional de Cinema faz abertura em grande estilo no Recife

Abertura no Cinema São Luiz contou com exibição do aguardado "Me Chame Pelo Seu Nome" e estreia do novo filme da cineasta argentina Lucrecia Martel.

Cinema São Luiz apresenta programação da abertura do X Janela Internacional de Cinema em sua fachada (Foto: Victor Jucá/ Cinemascopio)
Cinema São Luiz apresenta programação da abertura do X Janela Internacional de Cinema em sua fachada (Foto: Victor Jucá/Cinemascopio)

A noite desta sexta-feira (03) ficou marcada pelo início da semana mais badalada do ano para os cinéfilos pernambucanos – teve início a maratona cinematográfica com o X Janela Internacional de Cinema do Recife, simultaneamente no Cinema São Luiz e no Cinema do Museu.

No Cinema São Luiz a noite teve início com a exibição do esperado Me Chame Pelo Seu Nome (“Call Me By Your Name”), do cineasta Luca Guadagnino e estrelado por Thimothée Chalamet e Armie Hammer. O público lotou a enorme sala do cinema de rua para conferir o longa metragem que vem sendo elogiado pelos festivais por onde passa e segue forte na corrida por uma indicação ao Oscar. Por aqui não foi diferente – ao final da exibição, o público aplaudiu o longa ao subir dos créditos. Essa também foi uma oportunidade de conferir o filme em primeira mão, já que só entrará em cartaz nos cinemas comerciais em janeiro de 2018, sob distribuição da Sony Pictures. Nós conferimos o filme e falamos sobre ele aqui no site.

Me Chame Pelo Seu Nome (Divulgação/Sony Pictures)
Me Chame Pelo Seu Nome (Divulgação/Sony Pictures)

Mais cedo o X Janela Internacional de Cinema havia apresentado, para um público menor, a abertura da Mostra L.A. Rebellion, que destacará durante os 10 dias de festivais as produções de representatividade negra. O primeiro filme exibido foi “Filha do Pó”, de Julie Dash, longa que homenageia a cultura afro e tenta mantê-la viva. O longa foi o primeiro dirigido por uma mulher negra a ganhar distribuição comercial no seu país de origem e foi referência para produções conteporâneas como o álbum visual “Lemonade”, da Beyoncé. Quem perdeu o filme tem uma segunda chance de vê-lo através do catálogo da Netflix, onde o filme está disponível.

O filme de abertura ficou por conta de “Zama”, da cineasta argentina Lucrecia Martel. O longa que só estreia em janeiro nos cinemas comerciais discute a posição do homem no poder e o mal estar vivido pela sociedade.  A diretora ganha ainda uma mostra em sua homenagem durante o festival.

O dia no Cinema São Luiz encerrou-se com a exibição de Pink Flamingos, clássico trash de 1972 dirigido por John Waters e bem requisitado pelos cinéfilos presentes, abrindo a Mostra de Clássicos, uma das mais procuradas do festival.

A cineasta Lucrecia Martel apresentou o seu novo filme, "Zuma", no X Janela Internacional de Cinema do Recife (Foto: Victor Jucá/ Cinemascopio)
A cineasta Lucrecia Martel apresentou o seu novo filme, “Zuma”, no X Janela Internacional de Cinema do Recife (Foto: Victor Jucá/Cinemascopio)

Para o sábado (04) o X Janela Internacional de Cinema do Recife promete mais novidades com uma extensa programação – dois clássicos, entre eles “Aliens – O Resgate” de James Cameron e a estreia do premiado nacional “Gabriel e a Montanha”, de Fellipe Gamarano Barbosa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui