Início Críticas Crítica: Em Busca de Fellini

Crítica: Em Busca de Fellini

Lucy é uma mistura de Amélie Poulain e Alice, navegando pela vida e obra do maestro italiano Federico Fellini.

Em Busca de Fellini (Divulgação/Cineart Filmes)
Em Busca de Fellini (Divulgação/Cineart Filmes)

Escrito e produzido por Nancy Cartwright (que dá voz ao lendário personagem Bart Simpson) e baseado na experiência real da própria autora, Em Busca de Fellini narra as aventuras da jovem Nancy (Ksenia Solo) que após entrar por acaso em uma sessão especial dedicada a obra de Fellini, apaixona-se pelo universo criado pelo diretor e se transforma em uma ávida fã.

Lucy vive com a mãe superprotetora Claire (Maria Bello), que criou a filha em uma espécie de bolha de fantasia, protegendo-a do mundo real e dos seus possíveis riscos. O contato mais próximo que Lucy tem da realidade fica por conta da tia, Kerri (Mary Lynn Rajskub), o completo oposto da irmã sonhadora. Porém o mundo perfeito de Lucy desmorona quando a mãe descobre um câncer em estado terminal. Resolvida a não contar à filha sobre a doença e consequentemente suas poucas semanas de vida, Claire começa, com a ajuda da irmã, os preparativos para fingir uma “viagem” sem volta – o que aparentemente aconteceu com o avô de Lucy, seu peixe dourado, seu cachorro… Dessa vez, entretanto, o plano não sai como combinado, e Lucy acaba descobrindo o destino trágico de sua mãe. Com o coração partido, a jovem decide partir para a Itália em busca da única coisa que continua a fazer sentido em sua vida: conhecer Fellini.

Começa então a aventura de uma vida, repleta de sons, cores e personagens burlescos e enigmáticos. O longa, dirigido por Taron Lexton, presta homenagem aos filmes de Federico com inúmeros clips originais costurados em meio a narrativa, sendo a própria Lucy construída como uma das clássicas heroínas dos filmes do diretor: inocente, um pouco atrapalhada, eterna romântica e que vê o mundo através da lente da imaginação. Os vários personagens que a jovem encontra pelo caminho são reflexos do largo espectro humano retratado na obra de Fellini – alguns amáveis e sonhadores, outros violentos e libertinos.

O longa é belíssimo visualmente, capturando as melhores paisagens italianas (mesmo que repleto de clichês culturais), e criando um universo charmoso, embora nada inovador, onde folhas e pétalas esvoaçam no background e a luz é sempre perfeita. Mas não só de Fellini vive Lucy, e suas experiências, mesmo que embaladas pela fantasia, conseguem retratar um quê genuíno de alguém que amadurece anos no curso de algumas semanas, aprendendo lições valiosas sobre o amor, amizade, mentiras, desilusões e até mesmo a morte.

Com aparições de Mariano Aprea no papel do maestro e um cameo da própria Nancy Cartwright, Em Busca de Fellini é um filme feito por “fãs” para fãs, mas que consegue conquistar o público em geral pela sua leveza e honestidade.

Distribuído pela Cineart Filmes, o filme estreia dia 7 de dezembro em todo o Brasil.

- Publicidade -
Evie Diane
Evie Diane
Cresceu vendo filmes ao invés de brincar na rua. Fã de ir ao cinema sozinha. Denis Villeneuve, Steve McQueen, Luca Guadagnino, Woody Allen, Christopher Nolan, Olivier Assayas.

Últimas do site



Mais lidas