Início Colunas Lari Pelo Mundo - Relembrando raízes e descobrindo novas...

Lari Pelo Mundo – Relembrando raízes e descobrindo novas…

Mesmo estando do outro lado do mundo - ou quase - minhas raízes permanecem as mesmas, muito embora eu queria descobrir algo novo aqui todos os dias!

Na sexta-feira, eu acordei e logo comecei a folhear as aulas da semana. Precisava revisar o que foi visto, principalmente, os Phrasal Verbs que, junto das preposições são as coisas mais odiadas quando se estuda inglês. Podem acreditar. Apesar disso, mantenho minhas raízes fortes e ainda não fui conquista pelo Rugby, de modo que já sabia onde almoçaria: 3 Spirits para poder ver o jogo da seleção, de quebra, almoçaria almoço com gostinho de casa.

Quando cheguei por lá, vi que eles estavam numa movimentação louca tentando achar um maldito canal que passasse o jogo e nenhum estava passando. Antes mesmo que a frustração batesse, me lembrei que aqui minha internet é maravilhosa e ilimitada e rapidinho achei um site para assistir o jogo pelo celular. Entre revisões, almoço e celular, fui acompanhando os lances na telinha. Depois de um tempo, eles conseguiram conectar no computador e o jogo foi transmitido nos telões.

Embora a vontade de assistir o jogo até o final fosse grande, e 13h já estava na sala. Em dia de prova eu sou mais paranóica com horário do que já sou normalmente e já estava bastante apavorada com a minha prova, embora tenham me dito que não era nada demais. Fiz a prova e descobri que não é tão ruim assim, mas ainda está longe de ser bom. Aqui, nós mesmos corrigimos a prova e, depois, passamos para o professor. É bom já saber o que errou e, ali mesmo, tirar a dúvida.

Depois do intervalo, ficamos jogando um jogo de mímica com os phrasal verbs da semana e tudo parecia mais leve, eu parecia realmente me encaixar aqui, meu sonho agora parecia uma realidade, e eu não poderia estar mais feliz.

Quando voltei para o hostel, vi que Lana* havia se mudado para o quarto. Ela já estava no hostel há algum tempo e nós já havíamos trocado alguns cumprimentos. Pelo sotaque, sabia que ela era nordestina, mas também já havia escutado algumas “lendas” sobre sua estadia por aqui. Nesse momento, já amava cada um dos meus roomates: Marina, Bruna, Júlia, Diego e Flávia, e não os trocaria por nada no mundo. De algum modo, nosso quarto era nosso cantinho especial e todos nós realmente gostávamos um do outro e dava um certo medo alguém chegar ali – mesmo que soubéssemos que isso aconteceria.

Depois de me arrumar, comuniquei as meninas (Pri e Flá) o destino da noite: The George’s, um bar LGBT daqui que eu já havia ouvido falar muito bem e tinha combinado com uns amigos. É interessante como é diferente dos daqui. Na verdade, é um público bem mais velho e “sério”, mas se tem uma coisa que eu aprendi, é que para uma festa, basta uma boa turma, e isso eu tinha. Experimentei uma nova bebida: bulmers outcider, uma cidra diferente e bem gostosinha. Entre amigos velhos e novos, me diverti bastante. Até que quase 2 da manhã voltei para o hostel já que precisaria estar na parada às 4:30 para pegar o ônibus e ir para o aero pegar o vôo para Paris.

Enfim, Paris! Como eu sonhei com isso!

See you soon,

Xoxo.  

*Eu alterei o nome para não comprometer ninguém.

- Publicidade -
Larissa Ramos
Larissa Ramos
Bacharela em Direito, advogada e concurseira, apaixonada por séries, filmes, livros e música. Sonha com a chance de viver como atriz e se derrete com histórias de amor. Seu grande ícone é Audrey Hepburn.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas do site



Mais lidas