- Publicidade -

Crítica: Extraordinário

O talento de Jacob Tremblay rouba a cena mais uma vez nesse filme sensível e cativante que mostrar o quando o diferente pode ser extraordinário.

Extraordinário (Reprodução/Paris Filmes)
Extraordinário (Reprodução/Paris Filmes)

- PUBLICIDADE -

Baseado no livro de R. J. Palacio, Extraordinário (“Wonder”) traz Jacob Tremblay no papel de Auggie, um menino que sofre de uma rara síndrome que ocasionou uma deformação facial. Recentemente, o ator roubou corações quando apareceu na cerimônia do Oscar de 2016 – na ocasião ele só tinha 9 anos, quando fez o papel título de O Quarto de Jack (“Room”) que o rendeu diversas indicações e premiações.

Se em “O Quarto de Jack” Tremblay já mostrar a que veio, no novo filme ele surpreende ainda mais. Além do menino prodígio, temos Julia Roberts e Owen Wilson como pais do garotinho. O filme é extremamente sensível e traz inúmeras reflexões para uma sociedade tão pouco empática como a atual. Mais do que isso, o filme inova ao trazer as perspectivas não apenas de Auggie, que sofre com a síndrome, mas em como isso afeta as pessoas que o cercam, sobretudo sua irmã, Via, lindamente interpretada por Izabela Vidovic. Esse, no entanto, é um ponto de excelente ideia mas não tão boa execução, posto que deixa a sensação de que mais poderia ter sido explorado da relação mãe-filha.

- Advertisement -

Ao mesmo tempo em que traz diálogos delicados e frases que impactam o espectador, o filme busca reflexões sobre como enxergamos (e julgamos) os demais. Por muitas vezes encaramos o que é dito “diferente” sem nos preocuparmos em como aquilo pode (ou vai) afetar ou ainda o quanto encantador pode ser aquele que se destaca tanto que chama a atenção dos demais.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Com pitadas de humor e um elenco infantil maravilhoso, Extraordinário é exatamente isso, extraordinário. Uma aula de que o amor e a admiração surgem naturalmente, se cada um se deixar permitir sentir isso, entendendo que todas as relações dependem dos dois lados. A verdade é que “se tivermos que escolher entre estarmos corretos ou sermos gentis, devemos sempre escolher a segunda opção”. Inegavelmente, uma excelente pedida para toda a família!

- PUBLICIDADE -
Larissa Ramos
Larissa Ramos
Bacharela em Direito, advogada e concurseira, apaixonada por séries, filmes, livros e música. Sonha com a chance de viver como atriz e se derrete com histórias de amor. Seu grande ícone é Audrey Hepburn.
Leia mais em:

Conteúdo relacionado:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here