Crítica: Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississippi

Um filme sobre as semelhanças e diferenças na disputa contra o autoritarismo.

Jason Mitchell e Garrett Hedlund em cena (Divulgação/Diamond Films)

Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississippi mostra a fragilidade dos opressores e a violência desmedida que recai sobre os oprimidos. Sem um protagonista óbvio, o longa tem como elemento principal sua tentativa de provocar o diálogo entre personagens de realidades distintas.

Um dos núcleos do filme é formado pela família McAllan, brancos donos de terras. Dentro da família há um destaque para Laura (Carey Mulligan), casada com o primogênito dos McAllan. Ela vive submissa às vontades do marido. Papa (Jonathan Banks), o patriarca da família é o mais extremista quando o assunto é a soberania do homem branco.

Outro núcleo é o da família Jackson. Florence (Mary J. Blige) e Hap (Rob Morgan) cresceram trabalhando em terras que não eram suas e nutrem o desejo de ter um pedaço próprio de terra. Criaram seus quatro filhos em meio ao trabalho rural e três momentos marcam essa família.

O primeiro deles é a ida de Ronsel Jackson (Jason Mitchell), primogênito da família, à guerra. O segundo marca pontualmente o entrelaçar das histórias dessas duas famílias. Os McAllan que passaram um bom tempo afastado do campo voltam para morar em suas terras que estão sobre os cuidados dos Jackson.

A relação de submissão dos Jackson se torna explicita com a volta de Ronsel e de Jammie McAllan (Garrett Hedlund), caçula da família que também tinha ido para a guerra. Os traumas violentos que os dois carregam acabam os aproximando, o que não é visto com bons olhos pela vizinhança racista.

Laura e Florence apesar de serem mulheres, trazem posições diferentes; enquanto Laura se inquieta com a falta de liberdade, Florence carrega consigo o desejo de que seus filhos não sejam vítimas de um racismo desenfreado.

Dee Rees, diretora do filme (Imagem: Chris Pizzello/Invision/AP)

Sob a direção da Dee Rees, o filme usa um “dispositivo” pouco utilizado atualmente em grande produções: narração. Os personagens que mais se destacam no filme narram seus medos e desejos enquanto imagens fortes e impactantes sob a direção de fotografia de Rachel Morrison contextualizam seus discursos. Essa voz over é usada de forma prolongada e consegue aproximar o espectador da narrativa, os personagens parecem estar cochichando aos nossos ouvidos.

De forma impactante Rees consegue tornar possível o esforço de um diálogo de diferenças, entretanto deixa explícito que sempre podemos esbarrar em um tradicionalismo cruel que pode nos tirar com as próprias mãos nosso direito de fala.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui