Crítica: As Boas Maneiras

Longa resgata o melhor do terror nacional com boas doses de drama, numa mistura que há muito não se via no cinema brasileiro.

Leia também:

‘Projeto Gemini’ e ‘Morto Não Fala’ são as estreias da semana nos cinemas

As estreias desta semana nos cinemas trazem filmes para todos os gostos. "Projeto Gemini", o ousado filme do cineasta...

Cinema da UFPE é a nova opção para os cinéfilos pernambucanos

O Cinema da UFPE, nova sala de exibição no Recife, será inaugurado nesta quarta-feira (09). O evento acontece às...

Sem apoio de editais, Janela de Cinema recorre ao público para acontecer

Um dos maiores festivais de cinema de Pernambuco, o Janela Internacional de Cinema do Recife recorre neste ano ao...
Paulo Cavalcante
Paulo Cavalcantehttp://www.cafedeideias.com
Professor, atua na internet há mais de dez anos produzindo conteúdo sobre séries e cinema, aprecia a sétima arte e a dramaturgia para as diferentes telas.

AS Boas Maneiras (Divulgação/Imovision)
AS Boas Maneiras (Divulgação/Imovision)

As Boas Maneiras traz de volta aos cinemas nacionais a materialização do folclore brasileiro sob uma extensa camada de discussão social, discutindo temas relevantes em meio ao realismo fantástico presente nesta história de horror.

O filme surpreende com uma cativante história sobre a relação entre uma funcionária do lar que ultrapassa os limites éticos da profissão e de uma socialite que se afasta de todos ao seu redor por ter deixado de lado “as boas maneiras” ao se tornar uma grávida de pai desconhecido. Esta relação se intensifica na entrega das personagens, que diante dos problemas acabam apoiando uma a outra, e no surgimento de algo sobrenatural a partir da gestação de Ana (Marjorie Estiano).

Uma reviravolta na trama, capaz de impactar o espectador num momento digno de final de filme, surge apenas para indicar que uma nova parte da história está para começar e discutir outros temas relevantes, tocando nas feridas do preconceito e das diferenças e como o amor se sobressai na hora de superar esses conflitos.

Ainda que tenha ares de “filme B” nas cenas de terror que apelam para a computação gráfica de baixo orçamento, As Boas Maneiras resgata o melhor do terror nacional com boas doses de drama, numa mistura que há muito não se via no cinema brasileiro.

Por: Paulo Cavalcante, filme assistido durante o X Janela Internacional de Cinema do Recife.

- Publicidade -
- Relacionados -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Publicidade -

Últimos destaques:

A Grande Mentira | Crítica

Assistir Ian McKellen e Helen Mirren por uma hora e cinquenta minutos é sempre um prazer, mesmo quando o veículo não é lá...

Azougue Nazaré | Crítica

Uma terra com uma vasta variedade de culturas que culminam em diferentes religiões, o Brasil vem perdendo suas raízes com a ascensão do poderio...

As Panteras | Crítica

Hollywood fez mais uma vítima na sua não tão nova moda de reciclar franquias - a saudosa série As Panteras ("Charlie's Angels") ganhou uma...

Ford vs Ferrari | Crítica

A principal lição que se pode tirar do novo filme de James Mangold, é que não há nada que não fique 100% melhor com a...

Dora e a Cidade Perdida | Crítica

  A adaptação do desenho interativo Dora, a Aventureira, exibido no começo dos anos 2000 pelo canal Nickelodeon poderia ter seguido um caminho bem diferente e...
- Filmes recomendados -




More Articles Like This

- Publicidade -