Designated Survivor é salva pela Netflix e terá terceira temporada sobre ‘fake news’

Série com Kiefer Sutherland, de "24 Horas", terá a terceira temporada produzida pela Netflix.

Kal Penn, Kiefer Sutherland e Natasha McElhone em cena de Designated Survivor (Reprodução/ABC)

Depois de longas negociações, a Entertainment One fechou um acordo com a Netflix para renovar Designated Survivor para a terceira temporada. Os 10 episódios encomendados agora serão originais Netflix em todo o mundo.

Até a segunda temporada, a série era produzida pela eOne e pelo canal americano ABC. Nos EUA, ia ao ar na TV pela ABC e os episódios eram disponibilizados no streaming pelo Hulu, enquanto no resto do mundo a série era exclusivamente disponibilizada pela Netflix.

Para a terceira temporada, Designated Survivor terá Neal Baer, de Law & Order: SVU, como showrunner. Segundo o Deadline, Neal e o protagonista e produtor executivo Kiefer Sutherland se deram bem e estavam discutindo a direção criativa da terceira temporada enquanto aconteciam as negociações com a Netflix.

O elenco principal da série, incluindo Sutherland, Kal Penn, Adan Canto e Italia Ricci, deve retornar, com Maggie Q em negociações para se juntar a eles. A produção da terceira temporada está marcada para começar no final deste ano para estrear na Netflix em 2019.

Além disso, o sistema de exibição deve mudar – os episódios da terceira temporada devem chegar todos juntos na Netflix, diferente das duas primeiras temporadas onde os capítulos chegavam semanalmente no serviço de streaming, acompanhando a exibição na TV americana.

Na terceira temporada, o presidente Kirkman (Kiefer Sutherland) enfrentará as campanhas políticas e dilemas como o que é preciso para se tornar um líder e o que ele está disposto a fazer para se tornar um líder. Campanhas, difamação, debates políticos e divulgação de fake news estarão entre as pautas que serão abordadas no terceiro ano de Designated Survivor.

O cancelamento prematuro de Designated Survivor

A série Designated Survivor começou como uma das produções mais promissoras da temporada no canal americano ABC. A primeira temporada obteve excelente audiência e recebeu o Critics ‘Choice de melhor série estreante.

Na segunda temporada, o drama político estrelado por Kiefer Sutherland caiu na audiência, mas via os índices aumentarem na contagem de visualizações atrasadas, através de aparelhos gravadores como o DVR e no streaming.

O presidente da ABC, Channing Dungey, havia falado sobre o cancelamento de Designated Survivor em maio:

“Isso foi difícil para nós. Ia bem na visualização atrasada, mas a audiência ao vivo junto visualização de gravações no mesmo dia da exibição se tornou um desafio”.

Para um serviço de streaming como a Netflix, isso não é um problema, já que as pessoas podem assistir aos episódios quando e onde quiserem.

Neste ano, além de Designated Survivor, outras três produções da TV americana foram salvas do cancelamento por outros canais ou serviço de streaming. São elas: Lúcifer, que foi cancelada pela Fox e renovada pela Netflix; The Expanse, cancelada pelo SyFy e renovada pela Amazon Prime Video e Brooklyn Nine-Nine, cancelada pela Fox e resgatada pela NBC.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui