Tudo Por Um Popstar | Crítica

Maisa Silva, Mel Maia e Clara Castanho estrelam filme baseado em livro de Thalita Rebouças.

Clara Castanho, Maisa Silva e Mel Maia em cena de Tudo Por Um Popstar (Divulgação/Downtown Filmes)
Clara Castanho, Maisa Silva e Mel Maia em cena de Tudo Por Um Popstar (Divulgação/Downtown Filmes)

Quem tem o seu ídolo sabe o que é sentir um forte desejo de chegar o mais próximo dele. Seja indo para um show, seja comprando uma coleção de discos ou filmes ou até mesmo dormir na porta do hotel onde está hospedado naquela passagem pela sua cidade ou país. Parece exagerado, mas não é de hoje que verdadeiros fãs são capazes de tudo para ficar pertinho dos seus artistas prediletos. E é isso que Tudo Por Um Popstar relata, de uma forma bem divertida, através de um trio jovem que vem bombando na televisão (e na internet).

No filme, o grupo pop Slavabody Disco Disco Boys, virou febre entre as adolescentes do Brasil. Eles anunciam um show no Brasil e óbvio, as fãs farão de tudo para comparecer a apresentação. Fãs fervorosas da banda, as adolescentes e melhores amigas Gabi (Maísa Silva), Manu (Klara Castanho) e Ritinha (Mel Maia) farão de tudo para que seus pais deixem que elas assistam a um show do grupo fora da cidade onde moram. Mesmo conseguindo autorização com a ajuda da louca Babette (Giovanna Lancellotti), parece que o karma irá agir para que tudo dê errado para as meninas.

O cineasta Bruno Garotti faz de Tudo Por um Popstar uma fábula juvenil, adaptando o livro de Thalita Rebouças e usando da licença poética para criar pontos de fuga no roteiro. Por um momento, algumas situações podem até parecer exageradas, mas em outros tornam-se necessárias para os desdobramentos da trama, como os delírios de Manu.

E por falar em exageros, ficamos diante de algumas irresponsabilidades, que não deveriam passar despercebidas (ou até podem ter sido erroneamente propositais), como a problemática cena em que as meninas despencam de um prédio pela janela, tentando invadir o apartamento onde a boy band estava hospedada. Pode soar um tanto chato reclamar da rivalidade criada entre as meninas e outro grupo de colegas da escola, tão reproduzida em filmes estadunidenses sobre colegiais, mas em tempos de feminismo, esquecer a sororidade é um pouco estranho.

Tudo Por Um popstar (Divulgação/Downtown Filmes)
Tudo Por Um popstar (Divulgação/Downtown Filmes)

Detalhes a parte, há de se destacar as incríveis atuações do trio protagonista. Já se sabe que Mel Maia, Maisa Silva e Clara Castanho carregam nas costas uma grande bagagem de trabalhos nas telenovelas, mas aqui temos um produto diferente e a interpretação faz toda a diferença quando se sai da telinha para a telona. Embora tenha falado em sororidade e não querendo incitar rivalidades, neste ponto, fazer certa comparação acaba sendo inevitável – enquanto em “Fala Sério, Mãe!” vimos uma Larissa Manoela contida e um tanto mecânica (talvez por efeitos de roteiro), em Tudo Por Um Popstar temos Mel, Maisa e Clara Castanho à vontade, atuando com naturalidade e entregue às suas personagens. São daquelas atrizes mirins que têm futuro certo, se não lhes faltarem oportunidades.

Por outro lado, temos atuações bastante sofríveis dos coadjuvantes integrantes da banda, que praticamente fazem figuração, a exceção de João Guilherme, que surge com uma interpretação bastante singular. E por que não falar de Felipe Neto, que dá as caras como um youtuber que faz de tudo por visualizações, desde causar com comentários ácidos a criar promoções falsas para seus seguidores participarem. Neto, que é youtuber assim como seu personagem, até surpreende na pele de um caricato que exala tudo de ruim que o ambiente das redes sociais e dos influencers podem oferecer a quem os acompanha ou até mesmo a quem faz parte da concorrência.

No fim das contas, Tudo Por um Popstar, apesar de alguns pontos que mereciam melhor atenção principalmente por se tratar de um filme voltado ao público jovem, é leve e descompromissado, trazendo uma trama que poderia ser real ao retratar as loucuras que as pessoas, independentemente da idade, poderiam fazer por seus ídolos. E por isso, é o filme ideal para a criançada e os adolescentes, público alvo do filme, o assistirem com toda a família.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui