Tue. Jun 21st, 2022

A decisão da Finlândia de se candidatar à adesão à OTAN decorre de preocupações de segurança óbvias e indiscutíveis geradas pela invasão russa da Ucrânia. De fato, essa decisão é tão previsível do ponto de vista realista das relações internacionais que certamente será usada em futuros livros didáticos.

A ausência de debate público sobre esse movimento importante é preocupante, no entanto, principalmente no que diz respeito à dimensão nuclear. A Finlândia, juntamente com a Suécia, são membros de longa data da União Europeia, mas até agora se recusaram a aderir à OTAN. Por quê? A resposta é a mesma da pergunta sobre por que a OTAN e os EUA se recusaram a intervir diretamente na Ucrânia: o medo de antagonizar uma grande potência nuclear, a saber, a Rússia.

Este problema não desaparecerá mesmo que a Finlândia realmente se junte à OTAN. Na verdade, é importante considerar como as implicações da adesão à OTAN afetarão a segurança finlandesa em um mundo nuclear. A fronteira de 1.340 km da Finlândia com a Rússia significa que durante a noite a OTAN se encontrará com uma nova e de longe a mais longa fronteira terrestre entre o Oriente e o Ocidente. Ao solicitar a ascensão da OTAN, a nação busca uma admissão rápida, sem negociar ou garantir acordos preliminares sobre como a logística da segurança nas fronteiras seria tratada, ou quais sistemas de armas poderiam ser baseados na Finlândia. O primeiro-ministro Marin afirmou que a OTAN não tem interesse em “colocar armas ou bases nucleares na Finlândia”, mas não pode haver garantia de que Bruxelas e Washington concordem – ou que, mesmo que o façam, não mudarão de ideia mais tarde. A Finlândia, em outras palavras, pode se encontrar na linha de frente nuclear em um conflito geopolítico com seu grande vizinho. Como isso poderia afetar a segurança finlandesa?

As respostas podem estar na postura nuclear em evolução e na política declaratória da Rússia. As doutrinas estratégicas declaradas da Rússia de 2010, 2014 e 2020 enfatizam a implantação de armas nucleares para fins de dissuasão para se defender e seus aliados, e no caso de uma ameaça existencial à soberania do Estado. Algumas dessas ameaças podem ser armas não nucleares de destruição em massa ou uma ameaça às capacidades nucleares. Persistem dúvidas sobre o recurso a armas nucleares em caso de falha de armas convencionais. Os estrategistas dos EUA se referiram a isso como escalada para desescalar, uma política de chocar os adversários para recuar de objetivos militares com medo de uma nova escalada.

A Rússia percebe que suas preocupações de segurança resultam da expansão da OTAN. Podemos debater se essas preocupações são justificadas ou não, mas há poucas dúvidas de que é assim que Moscou pensa. Por quê? Primeiro, a expansão territorial da OTAN após a Guerra Fria colocou bases estratégicas com defesa antimísseis dos EUA nas proximidades da Rússia na Polônia, Romênia e em locais offshore. Em segundo lugar, dada a oferta dos EUA pelo domínio militar de espectro total em todos os teatros de ameaças e suas tentativas contínuas de superar a capacidade de retaliação de segundo ataque da Rússia, Moscou é confrontada com uma vulnerabilidade estratégica real. Com a ascensão da Finlândia, os sistemas de defesa antimísseis dos EUA podem estar ainda mais próximos da pátria russa, intensificando os temores russos de profunda vulnerabilidade estratégica. Este é um passo perigoso a tomar contra um poderoso estado nuclear.

Enquanto a URSS e, posteriormente, a Federação Russa mantiveram uma postura de dissuasão de Não Primeiro Uso até 1993, os EUA, desde pelo menos a década de 1980, adotaram uma postura de combate de guerra nuclear dedicada à barganha coercitiva, domínio de escalada e resposta flexível. Desenvolveu opções nucleares limitadas no final da década de 1960. Dada a sua falta de capacidade de combate de guerra convencional na Europa, durante a Guerra Fria, contou com uma política de dissuasão estendida para defender os aliados, ameaçando um ataque nuclear no caso de uma invasão convencional dos países da OTAN. Os EUA veem a ameaça de ataque nuclear como uma ferramenta de barganha e mantêm a credibilidade de suas ameaças ao apresentar riscos de escalada incorporando elementos do acaso. Atualmente adota uma postura de “ambiguidade calculada” sem linhas vermelhas para manter sua total liberdade em situações de conflito.

Assim, quer os finlandeses reconheçam ou não as consequências geopolíticas da adesão à OTAN, o seu país deixa de ser um estado não alinhado e sem armas nucleares para um estado em que uma aliança militar não democrática determinará como funciona a segurança das suas fronteiras e quais os sistemas de armas. estão implantados em seu estado. Como o conflito na Ucrânia termina agora que as soluções diplomáticas recuam e as ambições militares ocidentais crescem? Pode ser um conflito prolongado que não se espalhe muito além dessas fronteiras, nem se escale em arenas maiores. No entanto, com extensas sanções econômicas à Rússia e reveses agrícolas na Ucrânia, a guerra já está desafiando a prosperidade financeira europeia e as cadeias de suprimentos globais. Embora as nações ocidentais tenham certeza da transgressão moral da Rússia, muitas nações apoiaram a Rússia (incluindo a China) ou se abstiveram na recente votação da ONU. Muitos desses estados podem estar adivinhando que ficar do lado da Rússia e Chi

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *